© Garé Advogados 2018 | All rights reserved

Polícia Civil apreende 14 toneladas de calçados falsificados em Aparecida

Atualizado: 17 de Out de 2019

Foram encontradas irregularidades em oito estabelecimentos e os materiais encontrados, apreendidos e encaminhados à perícia. Os donos das mercadorias podem ser processados por crime contra a propriedade imaterial



A Polícia Civil apreendeu, nesta quinta-feira (26), cerca de 14 toneladas de calçados falsificados durante operação contra a pirataria, na cidade de Aparecida.


Uma equipe da 1ª Delegacia de Polícia de Investigações sobre Propriedade Imaterial do Deic (Departamento Estadual de Investigações Criminais) vistoriou cerca de 15 lojas de calçados no centro comercial do município.


Foram encontradas irregularidades em oito estabelecimentos e os materiais encontrados, apreendidos e encaminhados à perícia. Os donos das mercadorias podem ser processados por crime contra a propriedade imaterial.


“Ouvimos oito pessoas que tinham a posse desse material. Se os laudos comprovarem a falsificação, essas pessoas serão processadas”, explicou o delegado Wagner Carrasco, titular da DIG (Divisão de Investigações Gerais).


Ainda de acordo com delegado, o material ficará sob guarda das empresas detentoras das marcas. Participam da ação 20 policiais e sete viaturas, além de 11 pessoas dos escritórios de advocacia que representam as marcas.


Fonte: https://www.ovale.com.br/_conteudo/nossa_regiao/2019/09/88421-policia-civil-apreende-14-toneladas-de-calcados-falsificados-em-aparecida.html




Civil Police seized 14 tons of counterfeit footwear in Aparecida


The Civil Police seized, on Thursday (26), around 14 tons of counterfeit footwear during an operation against piracy in the city of Aparecida.


A team from the 1st DEIC-  Intangible Property Investigation Police Station (State Department of Criminal Investigations) inspected about 15 stores in the city's commercial center.


Irregularities were found in eight establishments and the materials found, were seized and sent to the expert. Owners of the goods may be prosecuted for crimes against intangible property.


“We listened to eight people who had possession of this material. If the reports prove the counterfeiting, these people will be prosecuted, ”said Chief Officer Wagner Carrasco, head of the General Investigations Division (DIG). Also according to a delegate, the material will be kept by the companies that own the brands. 20 police officers and seven vehicles participate in the action, as well as 11 people from law firms representing the brands.

1 visualização